Posts Tagged ‘english’

Dica 618 – Um Festival de Línguas – A pronúncia do TH – Parte 2

julho 9, 2015

Aqui está mais um “Festival de Línguas” para você praticar a pronúncia do som de TH em inglês. Mais do que ensinar, montei esse vídeo para convencer os estudantes de inglês que colocar a língua para fora para falar o TH é normal entre os nativos. E se eles fazem, você pode fazer também.

Assista e pratique!

Muitos estudantes de inglês ficam com vergonha de colocar a língua para fora para fazer o som de TH. Mas se você não fizer isso, o som não vai sair correto. Você pode perceber pelo vídeo que tem gente que põe a língua bem para fora e outros que só põe um pedacinho para fora. Mas todos o fazem. Eu sempre recomendo que no começo você exagere um pouco. E que sempre pense antes de falar o TH e se lembre de colocar a língua no meio dos dentes. Se você fizer isso muitas vezes, o ato vai acabar se tornando automático e você vai conseguir fazê-lo sem pensar. É só uma questão de prática.

Continue praticando e você vai melhorar cada vez mais.

Até a próxima,

Carlos

 

Dica 610 – Cante “Red Solo Cup” e aprenda a falar inglês melhor

fevereiro 19, 2015

Eu já falei diversas vezes que músicas ajudam muito a aprender inglês. Eu até já publiquei o livro “Aprenda Inglês Cantando e Aprenda a Cantar em Inglês” com dicas de como aprender inglês com música.

Quando você canta em inglês, você aprende a juntar as palavras, coisa que às vezes é difícil quando você está falando. Na música você precisa seguir o ritmo e cantar sem ficar parando entre uma palavra e outra. Além de ajudar na fluência, cantar faz você repetir muitas e muitas vezes as mesmas frases. Essas frases vão ficando na sua cabeça e vão formando o seu repertório linguístico. Um dia, sem perceber, você usa uma dessas frases numa conversa. É muito legal quando isso acontece!

Hoje eu estava correndo na esteira na academia e, como sempre, ouvindo músicas e cantando junto. Foi quando me dei conta que a música “Red Solo Cup”, que foi cantada no oitavo episódio da terceira temporada de “Glee”, é muito mais falada do que cantada. Cantar (ou no caso, falar) essa música, além de ser divertido – afinal, é uma música sobre um copinho descartável – pode ajudar muito o seu inglês. Experimente!

Há muitas músicas que tem partes faladas no meio e elas podem ajudar bastante a desenvolver o seu inglês. Procure outras de que você goste, pratique e divirta-se!

Não é fácil decorar uma música inteira. Às vezes pode levar vários dias. Hoje, enquanto eu corri por cerca de 40 minutos na esteira, eu fiquei repetindo sempre a mesma música, e ainda não consigo cantar inteirinha. É um exercício de paciência e determinação, mas quando você consegue cantar a música inteira, que alegria!

Só como curiosidade, quase todas as músicas de “Glee” são regravações de outras músicas. Aqui está o vídeo da música original com Toby Keith para você conhecer e cantar junto:

Até mais,

Carlos

Dica 597 – Outra música de Halloween

outubro 29, 2014

Aproveitando a proximidade do Halloween, aí vai mais uma música divertida para você aprender e praticar o seu inglês enquanto conhece um pouco mais da cultura dos países de língua inglesa.

“Halloween”

 

Para ilustrar, aí vão umas fotos das tradicionais jack o’ lanterns. Essas foram feitas pelas crianças da escola onde eu trabalho, uma diversão que se repete todos os anos. As crianças decoram as abóboras com motivos diversos e depois fazem uma exposição e um concurso para escolher a mais criativa.

 

 

IMG_8738 IMG_8750 IMG_8751 IMG_8752 IMG_8760 IMG_8766 IMG_8767

Quer saber um pouco mais sobre Halloween e sobre as jack o’ lanterns? Pesquise! Aprenda a ir atrás das coisas e descobrir por si só. Isso é um instrumento muito importante para o aprendizado.

Até mais e Happy Halloween,

Carlos

Dica 568 – Pratique o Present Perfect assistindo a cenas de seriados

setembro 8, 2013

Aqui vai mais um vídeo que eu montei com cenas de vários programas de TV. Todas elas têm uma coisa em comum: o uso do Present Perfect. Assistir a essas cenas vai permitir a você revisar ou aprender esse tempo verbal, em vários contextos diferentes. Assista:

O Present Perfect não existe em português e é um tempo verbal temido pelos alunos. Como eu sempre digo, quem traduz tudo para o português acaba não entendendo mesmo, já que não existe um equivalente na nossa língua. Por isso, o mais importante é tentar vivenciá-lo. Assistir a essas cenas, onde ele é usado naturalmente vai ajudar muito nisso.

Quando você assistir a outros filmes ou programas de TV, fique atento. Procure prestar atenção às frases que você ouve. Será que consegue identificar outras frases com o Present Perfect? Esse exercício é muito bom para o seu inglês.

Se você achar alguma cena legal com o Present Perfect (ou mesmo se a cena não for tão legal), escreva para mim. Eu posso publicar o vídeo dando o crédito a você.

Até mais,

Carlos

Dica 560 – O sotaque de Marion Cotillard

julho 16, 2013

Quando a atriz francesa Marion Cotillard ganhou o Oscar pelo filme La Vie En Rose (Em Português “Piaf- Um Hino ao Amor“) em 2007, ela falava muito pouco inglês. Hoje em dia, alguns anos depois, ela tem um inglês excelente, praticamente sem sotaque, um feito impressionante, visto que os franceses tem muita dificuldade com o sotaque em inglês.

Como eu comentei num post recente, para você falar inglês bem não é necessário falar sem sotaque nenhum, mas para um ator estrangeiro isso pode significar novas oportunidades de papéis no cinema de Hollywood, e não ficar limitado a papéis de estrangeiros.

Qual foi o segredo de Marion Cotillard? Muita prática e dedicação! Vejam essa entrevista dela, que encontrei no youtube. No comecinho da entrevista ela fala sobre o processo de aprender inglês e melhorar a pronúncia.

Notem que mesmo tendo um inglês excelente, ela ainda fala em melhorar e diz que vai se esforçar mais um pouco. Como eu sempre digo, dedicação é o segredo de tudo.

Está aí um bom exemplo a ser seguido!

Até a próxima,

Carlos

Dica 501 – Aprenda os superlativos cantando

setembro 23, 2012

Para você que, como eu, gosta de aprender e praticar inglês cantando, aqui vai mais uma ajuda. Eu montei esse vídeo com trechos de dez músicas onde aparecem superlativos. Há vários tipos de músicas diferentes, de vários estilos musicais, ou seja, há músicas para todos os gostos.

Assista ao vídeo e cante junto:

Cantar ajuda a aprender e praticar inglês. Cante a mesma música muitas e muitas vezes. As frases vão ficando gravadas na sua memória e acabam vindo à tona quando você precisa falar.

Nessa seleção coloquei apenas os trechos das músicas onde aparecem os superlativos. Se você tiver interesse, pode procurar as músicas inteiras e cantá-las. Ou pode procurar outras músicas com superlativos. Se tiver mais alguma sugestão, mande pra mim. Eu agradeço.

Solte a voz e melhore o seu inglês!

Até a próxima,

Carlos

Dica 498 – Músicas para aprender nomes de roupas em inglês

setembro 16, 2012

Como eu sempre recebo pedidos de sugestões de músicas que ajudem a aprender inglês, aqui vai mais uma dica musical. Encontrei essas músicas recentemente enquanto preparava uma aula sobre roupas para os meus alunos. Embora sejam músicas para crianças, elas também servem para outras faixas etárias. Nelas você pode aprender bastante vocabulário realativo a roupas, verbos que se usam para descrever o que a pessoa está usando e muito mais.

Assista aos vídeos e cante junto.

THE CLOTHING SONG

WHERE ARE THE CLOTHES?

THE CLOTHING SONG

Cantar é ótimo para aprender inglês. Se você procurar, consegue encontrar muitas outras músicas com o mesmo vocabulário. Dá para se divertir e aprender inglês ao mesmo tempo.

Até mais,

Carlos

Dica 465 – Valorize o professor brasileiro

maio 24, 2012

Não sei se você está acompanhando a polêmica causada pelo comercial da Open English, uma escola de inglês online. Eu assisto a programas de TV todos os dias, mas assisto a programas baixados na Internet, e nunca ligo a TV em canais abertos ou a cabo. Por isso não conheço os comerciais. Acabei tomando conhecimento deste através do facebook, numa mensagem do Vinícius Nobre, meu amigo e presidente do BRAZ-TESOL (a associação dos professores de inglês do Brasil).

No comercial dessa escola, eles dizem que um professor de inglês nativo é melhor do que um brasileiro, e chegam a ridicularizar o professor brasileiro. Assista ao comercial e julgue por si:

Eu já escrevi sobre professores nativos e professores brasileiros na Dica 64 em 2010 (https://dicasingles.wordpress.com/2010/05/24/dica-64-professor-nativo-x-professor-brasileiro/) e também no livro “101 Dicas Para Você Aprender Inglês Com Sucesso”. E como eu já disse antes, não importa se o professor é nativo ou brasileiro, mas se é competente. Eu conheço professores nativos que são excelentes e professores brasileiros que são excelentes. Mas também conheço professores nativos e professores brasileiros que não são tão bons.

Eu mesmo, como falante nativo de português, não saberia dar aula de português. Há muitos anos, na escola em que eu tabalhava, um dos professores de português para estrangeiros faltou, e me pediram para substituí-lo. Embora eu seja um ótimo professor de inglês, a minha aula de português foi um desastre. Talvez depois de fazer um bom treinamento, eu possa até começar a ensinar português, mas só o fato de falar português não me qualifica para dar aulas.

Já no caso do inglês, mesmo eu tendo nascido no Brasil, eu tenho formação de professor. Quando eu terminei a minha pós-graduação em engenharia civil e me tornei professor de inglês, comecei a fazer cursos, comecei a estudar e me qualifiquei como professor de inglês. Hoje tenho 25 anos de experiência e dou até cursos de treinamento para professores.

Há muitos professores nativos que têm formação de professores. Eu poderia citar vários que conheci na minha vida. E há também muitos que dão aula só por serem nativos, sem terem nenhuma formação. Não basta você saber falar inglês. Se você pegar um mendigo americano, ele sabe falar inglês. Será que isso o qualificaria como um professor nativo?

Eu não acho que o professor brasileiro seja melhor que o nativo, e também não acho que o nativo seja melhor do que o brasileiro. Há professores bons e pronto. E a escola, na hora de contratar, é que deve ter o seu critério. Na escola em que eu trabalho há vários professores nativos. E é ótimo tê-los por perto. Quando temos alguma dúvida, ou quando encontramos uma palavra que não conhecemos, por exemplo, podemos sempre usá-los como referência. Mas há alguns dias eu estava tentando entender a letra de uma música que tinha uma palavra que eu não entendia, e nem os meus colegas nativos conseguiram descobrir que palavra era. Fui eu mesmo que descobri sozinho depois de um tempo.

Não se deixe iludir por essas propagandas de que a escola só tem professores nativos. E principalmente, não faça pouco dos professores brasileiros. Eles são extremamente competentes e há muitos que falam um inglês excelente. Eu dou palestras no Brasil todo, e por onde eu vou sempre encontro profissionais excelentes. Lembre-se também de que o professor brasileiro passou pelas mesmas dificuldades que você passa para conseguir aprender inglês. Ele sentiu na pele o que é aprender inglês aqui no Brasil e por isso pode te dar muitas dicas de como aprender.

Reproduzo aqui a carta publicada no facebook pelo Vinícius Nobre – Vinnie – o presidente do BRAZ-TESOL:

“Como presidente da maior Associação de professores de inglês do Brasil, eu sinto a incontrolável necessidade de me posicionar e expressar meu desapontamento e choque em relação ao comercial que está sendo veiculado em rede nacional promovendo um curso de inglês online.
Eu NÃO sou um falante nativo da língua inglesa, eu não tenho longos cabelos loiros, não moro na California e não visto uma camiseta justa para ensinar meus alunos. Na verdade, eu NUNCA tive um professor de inglês “nativo”. Eu nunca sequer morei em um país falante da língua inglesa. Eu simplesmente estudei inglês no meu país em desenvolvimento e depois cursei quatro anos de linguística, literatura, aquisição de idiomas estrangeiros, morfologia, pronúncia, sintaxe, educação, pedagogia, métodos e abordagens. Eu simplesmente dediquei 16 anos da minha vida ao desenvolvimento pessoal e profissional dos meus milhares de alunos. Nunca exibi meu passaporte ou minha cidade-natal, porque eu estava ocupado demais me preocupando com as necessidades comunicativa e afetivas dos meus alunos. Eu NÃO sou um falante nativo de inglês; portanto – de acordo com esse comercial – não me qualifico para ensinar. Provavelmente me qualifico apenas para ser uma imitação grotesca e irresponsável de um professor.
Assim como eu, milhares de educadores esforçados, talentosos, comprometidos, apaixonados e desvalorizados (do Brasil ou de qualquer outro país não falante de inglês) são definidos em 30 segundos de uma desesperada e inaceitável tentativa de seduzir alunos. Eu conheci professores fantásticos, independente de suas nacionalidades e muitos que inclusive eram “falantes nativos de inglês”. Os melhores educadores, no entanto, sempre tiveram a dignidade de reconhecer e respeitar as qualidades de um colega “não-nativo”.
O ensino de línguas estrangeiras desenvolveu-se tremendamente para garantir a justiça e o respeito que todos os profissionais sérios da área merecem (nativos ou não). Pelo menos entre nós mesmos. Se alunos ainda insistem em dizer que um professor “nativo” é melhor, pelo menos temos o conforto de saber que dentro da nossa profissão encontramos o reconhecimento que profissionais comprometidos e qualificados precisam ter. É triste, no entanto, ser ridicularizado por um centro (que alega ser) de ensino.
Como presidente do BRAZ-TESOL, como um falante “não-nativo” do inglês, como um admirador de profissionais do ensino, independente da sua nacionalidade, eu me ressinto por ser transformado em um piada tão irresponsável. Mas quem sou eu para ousar falar qualquer coisa sobre o ensino de inglês. Não sou a Jenny da California – o maior exemplo de educadora de inglês como língua estrangeira.”

Valorize o professor brasileiro!

Até a próxima,

Carlos

Dica 451 – Boa Páscoa, praticando o seu inglês!

abril 4, 2012

Com a chegada da Páscoa, aqui vão alguns links para você treinar o seu inglês enquanto aprende um pouco de vocabulário e conhece um pouco sobre os costumes da Páscoa em outros países:

“The Easter Beagle”:

“Peppermint Patty and Marcie Trying to Color Easter Eggs”:

“Inside an Easter Egg”:

Há muitas outras coisas que você pode encontrar por aí. Basta colocar a sua curiosidade para funcionar.

Boa Páscoa e até a próxima,

Carlos

Dica 423 – Ensaie muito antes de falar

fevereiro 2, 2012

Antes de apresentar uma peça de teatro, atores ensaiam. Ficam meses ensaiando muitas horas por dia até a peça ficar pronta. Quando a gente assiste a uma peça, elogia as atuações dizendo que aquele ator é muito talentoso, mas se esquece de quanto ele treinou para chegar lá. Antes de fazer um filme, atores ensaiam as cenas muitas e muitas vezes. Estudam o papel, fazem pesquisa sobre as personagens, treinam a voz que vão fazer, a maneira de se mexer, tudo para compor uma personagem. Quem vê a Meryl Streep fazendo o papel de Margareth Thatcher no filme “The Iron Lady” (eu ainda não vi) não imagina o que ela fez para encarnar a personagem.

Antes de fazer uma palestra, um palestrante ensaia na sua casa. Eu, por exemplo, faço a apresentação para as paredes, imaginando que estou de frente para uma plateia. Um dia desses, o meu filho Pedro ficou ouvindo atrás da porta sem eu saber, e numa certa hora, quando fiz uma pergunta, ele respondeu.

O ensaio nada mais é do que um treino para a hora H. Claro que na hora há coisas que podem  dar errado, mas quanto melhor preparada a pessoa estiver, melhor ela conseguirá se sair no momento oportuno.

Vejam essas cenas do seriado “Grey’s Anatomy”, quando os médicos se preparam para uma cirurgia de separação de dois bebês xifópagos (aqueles que nasceram grudados).

Todo mundo ensaia para fazer alguma coisa, de uma maneira ou de outra. E você deve fazer o mesmo com o seu inglês. Quando você está numa aula, ou mesmo estudando sozinho, você está ensaiando para o que eu chamo de “a vida real”, aquele momento em que você vai falar de verdade com alguém. Quanto mais você ensaiar, melhor preparado você vai estar.

Não adianta você falar uma coisa apenas uma vez. Você precisa repetir quantas vezes forem necessárias para aquilo ficar bom. Às vezes numa sala de aula não há tempo para se repetir uma frase muitas vezes. É aí que entra o seu trabalho em casa. Pratique, e pratique muito. Pratique num dia e repita no dia seguinte. Só fique satisfeito quando você sentir quue está conseguindo falar direito.

A prática é uma coisa muito pessoal. Há pessoas que falarão bem depois de 50 repetições e há pessoas que falarão bem depois de 100. Isso não significa que uma pessoa é pior que a outra. É uma coisa que varia de uma pessoa para outra. Há gente que diz que só quem é fraco precisa praticar mais. Na verdade, acontece o oposto. As pessoas são boas porque praticam mais.

Portanto, ensaie muito. Lembre-se de que você está fazendo isso por você, para que o seu inglês melhore. E com muita prática ele vai melhorar com certeza!

Até a próxima,

Carlos