Posts Tagged ‘estudo’

Dica 572 – Vá atrás das coisas

outubro 2, 2013

Eu ainda me impressiono muito com a quantidade de pessoas que espera que as coisas venham até elas de mão beijada.  E não vão atrás do que querem. Hoje em dia, com tanta facilidade para conseguirmos tudo o que quisermos, não dá para ficarmos sentados esperando as coisas virem até nós. Se você quer alguma coisa, mexa-se!

Quer aprender inglês? Quer aprender mesmo? Vá atrás do seu objetivo. Faça alguma coisa por você mesmo!

Eu vejo alunos que ouvem uma palavra nova na sala de aula, por exemplo. Eles não entendem a palavra e deixam por isso mesmo. Quantas vezes um aluno vem me dizer que não fez um determinado exercício da lição de casa por que havia uma palavra que ele não tinha entendido. E por que não procurou? Há tantos dicionários por aí! Há dicionários online de todos os tipos. Se você digitar a palavra no google images, por exemplo, consegue ver a imagem da palavra. Dizem que uma imagem vale mais do que mil palavras. Ao digitar a palavra no google images aparecem centenas de imagens. Se cada uma vale por mil palavras, imagina quantas ilustrações da mesma palavra você pode ter! Você só não visualiza se não quiser.

Há muitos dicionários impressos e online. Cada dicionário tem definições e exemplos com as palavras. Se você não entender a explicação de um deles, procure em outro. Lendo muitas definições e muitos exemplos, uma hora a ficha cai e você entende.

Não entendeu um determinado ponto gramatical? Se estuda em uma escola, peça uma ajuda ao seu professor. Peça para ele explicar de novo. Peça novos exemplos. Peça a ele para indicar um livro para fazer exercícios extras de gramática. Encontre o livro e estude, pratique, até aprender. Se achar que ainda não entendeu, estude e pratique mais um pouco. É do seu interesse. Se você estuda por conta própria, vá atrás de exercícios. Ter um livro de gramática é importante também. Faça exercícios online. Faça alguma coisa!

Eu costumo dizer aos meus alunos que coloco a bola na frente deles, mas quem tem que chutá-la são eles mesmos. Se errarem o gol, precisam repetir centenas de vezes, que as chances de acerto vão aumentando. Não adianta querer que a bola se mexa sozinha. Isso não acontece.

Se você prestar atenção à sua volta, vai ver que as pessoas que se saem melhor em qualquer coisa são aquelas que fazem algo para que isso aconteça. A diferença entre aprender ou não é tentar, se esforçar. Aquela velha frase que diz que é “1% de inspiração e 99% de transpiração” é a mais pura verdade.

Eu sou muito criativo e tenho muitas ideias ótimas, mas se eu não sentar e escrevê-las, elas não saem por conta própria. Não adianta ter uma ideia maravilhosa se a ideia fica dentro da sua cabeça. Para escrever um post no blog, por exemplo, eu fico um tempão na frente do computador. Escrevo, corrijo, escrevo novamente e esse processo continua até que me dou por satisfeito.

Para aprender a cantar uma música nova, passo dias e dias ouvindo só aquela música e cantando sem parar, até conseguir cantá-la por inteiro. É um processo longo, mas que dá resultado. E é assim com tudo.

Como professor, acho que a minha função principal não é ensinar inglês. Mais importante do que isso, é ensinar as pessoas a se virarem sozinhas, a ir atrás das coisas, pois é só assim que elas vão aprender de verdade. Afinal, elas não vão ser alunas a vida inteira. A ideia é justamente treiná-las a serem independentes.

Não adianta chorar e dizer, “Eu não entendo isso.” O que você vai fazer para entender? Vá atrás, descubra, experimente, mexa-se! Você é capaz, sim! Depende do seu esforço e da sua vontade!

Até mais,

Carlos

Anúncios

Dica 563 – Cantar afina o ouvido linguístico

julho 27, 2013

Sabe aquelas coisas que a gente já sabe, mas que é sempre bom ouvir novamente para confirmar? Foi assim quando li essa matéria no Language Magazine. Segundo ela, cantar numa língua estrangeira pode melhorar muito a maneira de falar. Isso foi comprovado por um estudo feito na Escócia, na Universidade de Edinburgh.

Neste estudo, grupos de alunos adultos ouviram frases em húngaro e as repetiram cantando. Outros grupos apenas as repetiram falando. E os grupos que cantaram acabaram falando melhor do que os grupos que apenas falaram. Em alguns testes, os grupos que cantaram tiveram uma performance duas vezes melhor do que aqueles que apenas falaram. Além disso, os que aprenderam cantando conseguiram se lembrar das frases em húngaro com maior precisão do que os outros.

O teste foi feito com húngaro, por ser uma língua muito diferente para os falantes de inglês, mas os resultados se aplicam a qualquer língua.

Eu sempre acreditei que cantar ajuda a aprender inglês. Eu mesmo aprendi inglês cantando. Não que eu ache que dê para aprender inglês somente cantando. É preciso estudar também, mas cantar ajuda muito. Você aprende a pronúncia das palavras, aprende a juntar as palavras e os sons, e aprende as estruturas da língua, que acabam saindo corretas da sua boca quando você precisa falar. Como diz a matéria, cantar afina o ouvido linguístico.

No livro que eu e a Cris escrevemos, “Aprenda Inglês Cantando e Aprenda a Cantar em Inglês” nós damos várias dicas de como usar as músicas a seu favor para aprender inglês. Este aliás, é um dos tópicos mais perguntados nos comentários que recebo aqui no blog. Ou seja, todo mundo já sabe disso!

Aprender inglês cantando, além de divertido também é muito eficaz. Como está sendo comprovado agora por estudos acadêmicos.

Veja a matéria no link abaixo:

http://languagemagazine.com/?p=6883

Até mais,

Carlos

Dica 454 – A prática vale mais do que o estudo

abril 17, 2012

Uma matéria muito boa que saiu na revista Você S/A deste mês tem muita coisa para a gente pensar sobre o aprendizado de inglês. Tanto que acho que vou escrever várias dicas baseadas nessa matéria. Embora a revista seja voltada aos negócios e a diferentes tipos de profissionais, os seus artigos têm tudo a ver com esse blog.

Se você pensar bem, aprender inglês é como aprender qualquer coisa. Só muda o objetivo do aprendizado. Mas as estratégias que se usam para aprender são muito parecidas. É por isso que muita gente me escreve dizendo que o meu livro e o meu blog as ajudam a aprender outras coisas também. Faz sentido e eu fico feliz em ajudar.

A matéria “Sim, Você Tem Experiência” diz que “a prática é a mais rica forma de desenvolvimento pessoal“. Segundo um estudo feito pelo governo britânico, entre 70 e 90% do que se aprende vêm da prática. Isso não significa que não se deva estudar. Sim, precisamos estudar e bastante. Mas para aprendermos de verdade, precisamos colocar o que estudamos em prática.

Você já percebeu quantas pessoas fazem cursos de inglês? Dessas, muitas chegam ao final do curso e ganham o tão sonhado diploma. E quantas dessas pessoas você acha que são fluentes em inglês? É uma quantidade pequena! Isso não quer dizer que as escolas não sejam boas. Há escolas excelentes por aí. Mas a escola não ensina tudo. Para você aprender de verdade você vai ter que praticar. E isso vai depender mais de você do que da escola.

Eu me formei em engenharia civil na USP alguns anos antes de virar professor de inglês. Estudei muito para entrar na faculdade e estudei mais ainda para sair. Eu consegui sair no número certo de anos e tenho o meu diploma guardadinho – nunca o usei para nada. A engenharia civil tem várias áreas e não dá para você se especializar em todas. Enquanto eu estava na faculdade, eu fiz estágio no IPT durante 4 anos e aprendi muita coisa na área em que eu estava trabalhando, que era a de planejamento urbano. A área de construção civil, por exemplo, eu estudei nas aulas, mas nunca pratiquei. Nunca entrei numa obra, a não ser nas visitas que fizemos com a faculdade – entre elas a construção do aeroporto de Guarulhos! Quando eu me formei eu sabia muito sobre planejamento urbano, mas quase nada sobre construção de uma casa. E olha que eu passei em todas as matérias. Para você ver que só estudar não faz você aprender. É a prática que faz isso.

Atenção mais uma vez! Eu não estudou dizendo que você não deva estudar! Estudar é a base de tudo. Tanto que aquelas pessoas que aprendem inglês só viajando ou falando nas ruas acabam falando, mas com muitas deficiências. O que eu estou dizendo é a prática vai fazer você colocar em uso o que você estudou. É isso que vai fazer você deslanchar no inglês.

Muitas vezes eu falo com um aluno em inglês fora da sala de aula e ele me diz para falar em português porque a aula não começou. Estaria aí uma ótima oportunidade para ele praticar o inglês, conversando comigo!

Quando eu chego na sala de aula, os alunos estão ali sentados, conversando em português. Eu pergunto por que não conversam em inglês, para irem praticando. Uma grande parte ri da minha ideia “absurda”. Afinal, a aula ainda não começou. Mas é uma oportunidade desperdiçada de treinar o inglês, já que os seus colegas de turma têm o nível de inglês parecido com o seu. Por que não aproveitar?

Praticar o inglês não é estudar gramática ou vocabulário. É usar o inglês falando, lendo, assistindo a filmes, ouvindo música e cantando, jogando video games, e tantas outras coisas que você pode descobrir ou inventar.  Como diz a matéria da Você S/A, “essas situações cotidianas são fundamentais para o aperfeiçoamento”.

Até a próxima,

Carlos