Posts Tagged ‘fracasso’

Dica 627 – O Segredo do Sucesso é o Fracasso

setembro 13, 2016

Um artigo na revista “Você S/A” que eu acabei de receber, intitulado A Importância do Fracasso, começa dizendo que “Para alcançar o sucesso é preciso, primeiro, aprender com o fracasso.” É uma afirmação importante, que muita gente não se dá conta. As pessoas morrem de medo de errar. Parece que errar é uma coisa horrível. Que é o fim do mundo. Mas não é. Fracassar é fundamental no aprendizado.

Fracassar, como diz o artigo da Você S/A, é crucial para o desenvolvimento. E o avanço só acontece se nós encararmos os erros como processos de aprendizagem.

Isso é verdade para qualquer coisa, mas vamos pensar aqui no aprendizado de línguas.

Pense em você mesmo quando aprendeu a sua língua nativa. Você não começou falando tudo certo. Você falava errado, as pessoas te corrigiam uma duas, três… muitas vezes, até você aprender a falar corretamente. Mas para você foi importante tentar, experimentar com a língua. Se você não se lembra de como foi o seu aprendizado, pois afinal era muito pequeno, observe uma criança pequena aprendendo a falar.

Para aprender inglês, você precisa passar pelo mesmo processo. Tentar, errar, se corrigir, errar novamente e assim por diante, até acertar.

Hoje eu estava dando aula para uma aluna particular e fiz um vídeo no celular onde ela falava algumas coisas. Acabando de filmar, assistimos ao video juntos, e eu apontei os seus erros. Aí gravamos mais uma vez e assistimos novamente. Ela mesma me disse: “Aqui eu errei novamente. Aqui eu acertei.” Perceber os erros, já é um caminho em direção ao acerto. Com certeza ela ainda vai errar outras vezes, mas ter consciência dos erros, já é um grande passo.

Quando você tenta conversar em inglês, vai acontecer de a pessoa com quem você está falando não entender você. Pode ser o seu colega na aula de inglês, ou pode ser uma pessoa com quem você está conversando na rua. Errar e perceber que a pessoa não entendeu, vai fazer você tentar falar de uma outra maneira, para se fazer entender. Você vai criando estratégias que vão ajudar a se comunicar melhor. Isso também é um aprendizado.

Num exercício escrito, quando você erra, você tem uma grande oportunidade de aprender mais. Vendo o que errou e pensando em como poderia corrigir aquilo, você acaba aprendendo bastante.

O importante sempre é a sua atitude em relação ao erro. Ter um fracasso, não significa que você é um fracasso. Você fracassou, no seu caminho para aprender. Se ficar só se lamentando e se auto-flagelando, não vai aprender nada. O fracasso mostra que você fez uma escolha errada. Pense agora na próxima escolha. Se ela for errada também, fracasse e tente novamente. Em algum momento você vai acertar.

Pense num cientista que realizou uma experiência e descobriu algo incrível. Ele teve um sucesso no final, mas antes disso ele teve centenas de fracassos. Se pensar bem, o número de fracassos dele foi muito maior do que o número de sucessos. Mas foram esses fracassos que o levaram ao sucesso! Entre uma tentativa e outra, o cientista pesquisou mais, estudou, se aprimorou e tentou de novo.

Você errou? Tente mais uma vez. Estude mais, pesquise mais, faça mais exercícios e tente de novo. Não se lamente por ter errado. Você terá novas chances de aprender.

Aceite os seus erros, pense sobre eles e não sofra. Todo mundo erra!  Lembre-se disso!

Siga em frente e vai aprender cada vez mais e melhor!

Até a próxima,

Carlos

 

Anúncios

Dica 606 – Meu desejo para o ano novo: que você fracasse!

dezembro 30, 2014

Se você quer chegar ao topo, o primeiro passo é aprender a falhar.”

Li essa frase numa matéria da revista Você S/A intitulada Fracasse Melhor. A matéria cita a jornalista americana Megan McArdle, colunista do site Bloomberg. Megan explica como errar pode levar ao sucesso.

Como eu já falei várias vezes aqui e nos meus livros, muita gente tem medo do fracasso, pois se sente um derrotado por ter errado. Eu vejo alunos que ao cometerem um erro no inglês ficam vermelhos, abaixam a cabeça de vergonha e querer sumir. No entanto, para alcançar o sucesso é necessário correr riscos e experimentar ideias. Isso vai fazer você errar, mas é muito positivo, pois depois de muitos erros, o acerto vai chegar.

Segundo Megan McArdle, que escreveu o livro The Up Side of Down, “o mais importante é reconhecer que erramos. Em vez de admitir que algo deu errado, as pessoas negam o fracasso a qualquer custo. Essa atitude faz com que a gente se sinta melhor, mas por pouco tempo. No longo prazo, isso transforma um erro que seria simples (se corrigido a tempo) em uma catástrofe.”

As pessoas consideradas audaciosas correm muito mais riscos e por isso erram mais. Porém acabam sendo muito melhores sucedidas. Se você errar não significa que você é um fracassado. Significa que voce errou, vai aprender com os seus erros e vai seguir em frente – como a maioria dos grandes nomes da história. E isso é muito positivo. Por isso, precisamos valorizar as pessoas que erram. Erre sem medo!

Na matéria da Você S/A Megan ainda diz que “você tem que se convencer que o fracasso é sempre uma possibilidade.” Esteja pronto para ele, assuma sua falha e dê a volta por cima. Como ela afirma, “os únicos que fracassam miseravelmente são os que ficam presos aos erros do passado e não enxergam as possibilidades futuras.”

Ninguém nasce falando língua nenhuma. Até para aprender a sua própria língua você falou muita coisa errada até aprender a falar direito. Hoje mesmo, aminha amiga Viviane Kirmeliene publicou no facebook que a sua filha Catarina disse que depois do número dezenove vinha o dezedez. Todo mundo que leu este post achou uma gracinha. Ninguém criticou a menina por ter errado. Ela simplesmente está experimentando com a língua e tentando descobrir como ela funciona. E o mesmo acontece quando você está aprendendo inglês.

Se você não está falhando muito, é porque não está arricando muito e como consequência, também não está aprendendo muito. Como diz a matéria da da Você S/A, o caminho que leva ao sucesso é o mesmo que leva ao fracasso. Não tenha medo dele.

É por isso que, neste final de ano, eu desejo que você erre bastante durante a sua vida. Não tenha medo de errar. Fale inglês mesmo que não tenha certeza. Experimente e brinque com a língua. Se você estuda em algum curso e for corrigido pelo seu professor, tente novamente, mesmo que erre muitas vezes, pois uma hora você chega lá.

Se estiver falando com alguém e esse alguém corrigir você, faça a mesma coisa. Não se deixe intimidar pelo erro. Tente descobrir o que errou, porque errou, e tente outra vez. Mesmo que leve um tempo, você vai aprender.

Continue sempre em frente no seu aprendizado de inglês. De fracasso em fracasso você chega ao sucesso. Não fuja do fracasso, pois ele é o seu degrau para a conseguir acertar.

Feliz Ano Novo e até a próxima,

Carlos

 

Dica 587 – A responsabilidade por aprender é sua

março 30, 2014

De quem é a responsabilidade por aprender? A gente costuma dizer que quando aprendemos é porque somos inteligentes, mas quando não aprendemos é porque o professor é ruim. Parece que a responsabilidade por aprender é só do professor. E você? Quanta responsabilidade tem nesse processo?

Essa semana eu li um artigo excelente publicado na newsletter do BRAZ-TESOL, com o título “Autonomy: Sharing Responsabilities in the Classroom”. O artigo foi escrito pela minha amiga Elaine Chaves Hodgson e discute qual a responsabilidade do aluno no seu processo de aprendizado. Se você tiver acesso a essa newsletter, leia. Se você é professor de inglês e ainda não é membro do BRAZ-TESOL, basta se associar e vai receber a newsletter em casa.

É claro que o professor tem um papel importante em ajudar os alunos a aprenderem. Mas o professor não ensina. O professor mostra o caminho e ajuda o aluno a trilhá-lo. Eu li uma vez e já disse aqui que o professor abre a porta , mas o aluno é quem tem que entrar. Se ele não tomar as rédeas do seu aprendizado, não vai aprender mesmo.

O objetivo de qualquer aprendizado é em aprender a ser autônomo, como Elaine diz muito bem no seu artigo. Ser autônomo significa saber se virar por conta própria, e fazer as coisas sem ajuda. Afinal, é isso que você vai fazer durante a sua vida. Eu, por exemplo, não preciso mais fazer cursos de inglês. Eu estou sempre aprendendo coisas novas por conta própria. Leio, procuro coisas em livros, dicionários, na internet, etc. Faço cursos, sim, mas de outras coisas – metodologia, literatura, e outros assuntos que me interessam. Mas também aprendo muito sozinho – todos os dias. Ouço uma palavra nova em um filme ou seriado e vou procurar o que significa. Vou procurar outros exemplos de como se usa a palavra até que consiga entender como se usa e em que contexto se usa. E começo a tentar usá-la.

Muitos alunos não fazem a lição de casa, não participam da aula, não estudam e depois reclamam que não estão aprendendo. De quem é a culpa?

Se você aprende uma palavra nova na aula e não entende o que significa, o que faz depois? Fica chorando dizendo que inglês é difícil, que o o seu professor não explicou direito, que o texto era difícil demais? Ou vai atrás até descobrir o que aquela palavra significa? O professor pode dar um, dois, três exemplos, mas você pode achar mais vinte por conta própria. Há vários dicionários impressos e online que dão a definição da palavra e vários exemplos. Você só não aprende se não quiser.

Como a Elaine fala no seu artigo, nos seus estudos você pode e deve sempre tentar ir além. Aprendeu 12 nomes de comida em inglês na escola? Tente aprender 5 a mais por conta própria. Aprendeu um adjetivo? Procure o verbo, advérbio, substantivo, prefixos e sufixos associados a ele. Vá sempre além do que está aprendendo!

Há uns tempos encontrei um colega meu de curso de inglês. Ele tinha estudado na mesma turma que eu há mais de vinte anos. Agora eu estava dando aula na escola, e ele ainda era aluno – estava voltando a estudar inglês. Qual a diferença entre nós dois? Não é que eu seja melhor do que ninguém, eu simplesmente me esforcei mais e fui em frente.

Olhe à sua volta e veja as pessoas que você conhece que falam inglês bem. O que elas fazem de diferente? Quem sabe os seus exemplos podem inspirar você também. No meu livro “101 Dicas Para Você Aprender Inglês com Sucesso” eu conto várias dessas histórias. Se essas pessoas conseguiram, você também vai conseguir.

Lembre-se. Você consegue aprender, mas a responsabilidade é sua! Vá em frente!

Até mais,

 

Dica 584 – Aprender não deve causar medo

março 17, 2014

Como professor, é comum eu me deparar com a cara de pânico de certos alunos quando começo a ensinar alguma coisa nova. O simples fato de você iniciar um assunto ou um ponto gramatical novo  faz aparecerem aqueles olhos arregalados e uma cara de medo. Alguns alunos até respiram mais ofegantemente, como numa situação de medo mesmo. Parece que estão sob alguma ameaça. E a ameça é o desconhecido.

Eu já falei várias vezes sobre o medo de errar, que nos bloqueia e paralisa. O medo de fracassar, ou de não entender, é mais ou menos a mesma coisa. A pessoa vai aprender uma coisa nova e tem medo de não aprender, tem medo de achar difícil e de não conseguir. Muitas vezes isso não é consciente – é apenas uma reação que aparece.

Eu digo e repito: é muito raro aprender alguma coisa ou entender tudo perfeitamente de primeira. E isso não é só no caso do aprendizado de inglês – vale para tudo. Aprender envolve tentativa e erro. E o erro é muito importante para você corrigir o seu rumo e tentar chegar ao caminho certo. Este é um processo bacana, divertido, e prazeroso. Você faz uma hipótese na sua cabeça, a coloca em prática, vê que não funciona e vai experimentando até acertar.

Acertar de primeira não é a regra, mas a exceção. Por isso, não tenha medo quando se deparar com o desconhecido. Saiba que não entender é normal no início. E que com o tempo e a prática, você vai entender melhor. Quanto tempo e quanta prática? Isso depende de cada um. Não existe um tempo fixo. É muito pessoal.

Tente se lembrar de outras coisas que você já aprendeu e que foram difíceis no começo. Com o tempo elas foram ficando mais fáceis. Se não ficaram, foi porque você não tentou o suficiente.

Por exemplo, entender o present perfect em inglês é difícil mesmo. Ele é usado em diversas situações diferentes, e não existe um equivalente em português para você poder comparar. É complicado tentar entender só racionalmente. O jeito é ler vários exemplos e ir aos poucos “sentindo” como usar esse tempo verbal. Muitas vezes o professor apenas diz ao aluno que aquilo não se fala daquele jeito. Ele vai experimentando várias maneiras, até descobrir como é. É um processo de descoberta. Cheio de erros até chegar ao acerto.

Isso acontece com tudo. Aos poucos você vai descobrindo o que soa melhor e acaba usando determinada estrutura de maneira correta. Tudo no seu tempo.

Quando for aprender algo novo, não entre em pânico. Fique feliz! Aprender é um processo gostoso. Você começa sem saber nada e vai cada vez mais construindo o seu conhecimento até aprender um pouquinho, um pouco, muito e  até você realmente saber, respeitando o seu tempo.

Vá em frente, sem medo!

Até a próxima,

Carlos

Dica 578 – Para aprender, você precisa se superar – o exemplo de Malaki Paul

novembro 24, 2013

Eu já disse muitas vezes, e ainda vou dizer muitas outras, que aprender é dar um salto no escuro. Estamos entrando num território desconhecido e é normal termos um pouco de medo. É normal errarmos. Aliás, é mais normal errarmos do que acertarmos.

Aprender é dar um pequeno passo para a frente a cada momento, e tentar sempre se superar, ou seja, melhorar um pouquinho que seja. Se a cada dia ficarmos um pouquinho melhor, estaremos sempre aprendendo um pouquinho mais.

Fracassos fazem parte deste processo, mas devemos considerar esses fracassos como experiências que nos levarão a acertar no futuro. Não podemos deixar o fracasso nos desanimar.

O vídeo abaixo foi postado por um amigo no facebook. Talvez você já o tenha visto, mas vale a pena ver de novo e refletir sobre o assunto. No programa Britain Got Talent, o menino Malaki Paul, de 9 anos, começa uma apresentação muito nervoso. Fica tão nervoso que começa a chorar e interrompe a música. Isso também é normal. É comum começamos algo e não conseguimos continuar. A diferença é que Malakai não desiste. Ele tenta mais uma vez. E vejam o que acontece:

Se o menino tivesse desistido, talvez passasse a vida toda pensando no que teria acontecido caso tivesse desistido. Mas, ao contrário, continuou e venceu. Não é um belo exemplo?

Aprender é assim também. É não desanimar com os erros, é seguir em frente e tentar se superar. Cada superação é um ganho, que vai ajudar você a ser melhor a cada dia. E na próxima vez que você errar ou fracassar, você pode se lembrar das outras coisas que você superou. Isso vai dar mais motivação ainda para superar as próximas.

Por isso, siga sempre em frente no seu aprendizado de inglês. Lembre-se que o seu objetivo não é ser perfeito, mas melhorar um pouco de cada vez. E seguir em frente.

Vejam a apresentação seguinte de Malaki. Olhem como ele já está muito mais seguro e confiante:

Você também pode fazer o mesmo. Que esse exemplo inspire você, não só para aprender inglês, mas tudo o que quiser.

Até a próxima,

Carlos

Dica 562 – Correr riscos é bom!

julho 26, 2013

Em qualquer coisa que estivermos tentando aprender, é sempre importante arriscarmos. Tentar coisas novas e diferentes é o que nos leva para a frente. Muitas vezes nós não fazemos isso por medo de errar. No entanto, ter medo de errar nos faz ficar parados sempre no mesmo lugar, fazendo as coisas do mesmo jeito.

Vejam essa cena do excelente seriado “The Fosters”, do episódio que passou esta semana na TV americana:

Tocar piano, falar inglês ou andar na corda bamba têm alguma coisa em comum: é importante tentar, experimentar, arriscar.

Lembre-se de que se você nunca tivesse arriscado ficar em pé e dado seus primeiros passos, nunca teria caminhado. É claro que você levou vários tombos até aprender a coordenar as pernas e a se equilibrar, mas foi isso que fez com que você aprendesse.

Fale inglês. Tente conversar, mesmo que erre. Arrisque, e vai aprender muito mais!

Até a próxima,

Carlos

Dica 526 – Mais um ano novo? E agora?

dezembro 31, 2012

E aí? O ano está terminando. Você conseguiu cumprir todas as promessas que fez no ano passado? Sentiu que o seu inglês melhorou? E agora, o que vai fazer neste ano novo?

O ano novo é apenas uma data simbólica. Na verdade, todo os dias são novos. E todos os dias começam com milhares de possibilidades para nós. Resta sairmos da nossa zona de conforto e irmos atrás dessas possibilidades. E nos esforçarmos para superar as dificuldades e conseguir o sucesso.

Com esforço e dedicação, conseguimos muita coisa. Não adianta achar que vai ser fácil e que aprender inglês não vai causar um pouco de sofrimento. O processo de aprendizado é doloroso também. Temos dúvidas, inseguranças, dificuldades, nos sentimos cansados e frustrados às vezes. Mas ao mesmo tempo, é um processo prazeiroso. Cada pequena vitória é um motivo de alegria. Cada vez que conseguimos falar uma frase em inglês, ou quando conseguimos entender uma frase num filme ou um verso na letra de uma música, ou quando lemos um texto e conseguimos entendê-lo, temos muitas razões para comemorar. E depois que isso passa, a sensação de sofrimento e dificuldade dá lugar à alegria. Eu também tive dificuldades para aprender inglês, mas não me lembro disso com sofrimento. O que ficou foi a sensação boa de hoje saber falar inglês.

Você não precisa esperar o ano novo para começar a estudar inglês. Nunca vai chegar aquele momento mágico em que todas as condições estarão favoráveis para você começar. Simplesmente comece. E vá em frente. E no final do próximo ano, olhe para trás e veja como você progrediu.

Um ótimo ano novo para você, e mande ver no estudo de inglês!

Até o ano que vem,

Carlos

Dica 459 – O fracasso não é uma coisa negativa

maio 3, 2012

Na matéria da revista “Você S/A” que eu citei recentemente há uma referência ao erro, dizendo que o fracasso tem um componente negativo muito forte na nossa cultura. No entanto, uma das maneiras mais importantes de consolidar o conhecimento é aprender com os erros. Segundo a professora Amy Edmondson da Harvard Business School, “a maioria das pessoas não sabe como lidar com o fracasso. Elas ficam frustradas, perdem tempo pensando no que significa o fracasso, e não no que podem aprender com a experiência.” A matéria da revista diz que uma parte do problema é que as pessoas estão mais preocupadas com o que irão dizer a respeito delas. E aí a pessoa tenta esconder o erro ao invés de aprender com ele. Como a pessoa evita entender o erro, acaba cometendo o mesmo erro novamente. Ainda de acordo a professora de Harvard, “você não pode criar nada novo sem antes tentar. Além disso, é preciso aceitar que muitas dessas tentativas irão fracassar.” Ou seja, fracassar é absolutamente normal e não há nada de ruim nisso.

Uma das minhas partes favoritas dessa matéria é o que diz a professora Carol Dweck, PhD em psicologia da Univeridade Stanford: “O erro contém a pista para a melhor maneira de agir da próxima vez.” Ela ainda diz que o importante é não transformar o erro numa tragédia. “Ele é apenas um lembrete de que você é um ser inacabado.”

É isso mesmo. Somos todos seres inacabados. Você nunca vai parar de errar. Por mais que você saiba inglês sempre haverá coisas novas para aprender, e aprender é sempre um processo de tentativa e erro. E mesmo quando você já aprendeu, às vezes comete erros. A gente esquece, se atrapalha, se confunde e isso é super normal.

Para aprendermos mais e com mais eficiência, precisamos mudar a nossa atitude em relação ao erro. Fracassar é uma coisa boa, pois é um sinal de que você está tentando. O que você precisa fazer é admitir os seus erros e aprender estratégias para superar os problemas. Tem que admitir o fracasso e encará-lo como um momento de superação e também de aprendizagem.

Quando estiver estudando inglês – ou qualquer outra coisa – não tenha medo de errar. Se errar – ou fracassar – lembre-se de que está um pouco mais perto do acerto. Reflita sobre o seu erro. Pense em como chegou lá e quais serão os caminhos para acertar. Isso é importantíssimo para você aprender mais e melhor.

Até a próxima,

Carlos