Posts Tagged ‘ouvir’

Dica 614 – Use o Waze em inglês

abril 5, 2015

Para quem ainda não conhece o Waze, fique sabendo que ele é um aplicativo gratuito de trânsito e GPS que utiliza dados e alertas de tráfego em tempo real. Ele pode melhorar muito o seu trajeto de todos os dias.  Eu demorei um pouco até começar a usá-lo, pois estava acostumado ao meu GPS, e não queria abandoná-lo. Mas com o Waze realmente você ganha muito tempo. Para quem mora em São Paulo, como eu, ganhar tempo no trânsito é muita melhora na qualidade de vida.

Mas o que está me divertindo mais do que tudo é ouvir o Waze falar inglês. Você pode escolher a lingua que ele fala e escolher a opção de ele dizer o nome das ruas. Experimente! É uma boa maneira de você treinar o seu inglês enquanto está no carro. Se pensar no tempo em que fica no trânsito todos os dias, vai ver que dá para aproveitar bem.

Mesmo que você já saiba o caminho por onde vai, vale a pena ligar o Waze em inglês. Você vai ouvir as expressões que dão as direções, as distâncias, os problemas que encontra pelo caminho, e aos poucos vai lembrar de todas elas. Você pode até ir repetindo tudo o que ele diz, e ir treinando a parte oral.

Se escolher a opção de ele falar os nomes das ruas em inglês, vai dar muitas gargalhadas. Mas além disso, é um bom exercício de pronúncia. Ele fala os nomes das ruas em português como se fossem inglês. Isso vai ajudando você a descobrir um pouco mais sobre a pronúncia do inglês. Quando você for ler alguma coisa em inglês, isso vai te ajudar também. Você vai internalizando alguns sons do inglês e vai brincando com as palavras.

Em inglês a pronúncia não segue padrões rígidos. Há muita variação na pronúncia e mesmo os nativos muitas vezes não sabem pronunciar palavras novas que eles não conhecem. Mas essa brincadeira ajuda você a trabalhar os sons da língua inglesa. Por exemplo, se você prestar atenção à forma que ele pronúncia o nome “Av. Paulista”, quando enxergar palavras como “because”, “cautious”, “daughter” vai saber como pronunciar.

Quando o Waze for falando os nomes das ruas, repita os nomes algumas vezes. Faça isso como uma brincadeira, e até o tempo gasto no trânsito vai parecer menor. Isso não tem nada a ver com aprender vocabulário, já que as palavras em português não significam nada em inglês. É apenas uma brincadeira com os sons.

Como eu já disse antes, algumas ideias que podem parecer estranhas, podem nos ajudar muito a aprender e melhorar o nosso inglês. Nunca diga que não funciona sem tentar antes.

Depois escreva para mim, me contando como foi a experiência.

Até a próxima,

Carlos

Anúncios

Dica 602 – Contenha a ansiedade! Dê tempo ao tempo!

novembro 24, 2014

Recebi uma pergunta de um leitor, que achei melhor responder na forma de um post, pois é um assunto que diz respeito à maioria das pessoas.

O Jonas Schirmer me escreveu dizendo o seguinte:

“Sou estudante de inglês há 7 meses e sempre procuro praticar. Adquiri um pouco de vocabulário, mas fico confuso quando só pratico listening sem a transcrição. O que devo fazer?”

Eu já falei sobre isso algumas vezes, inclusive nos meus livros, mas acho importante voltar ao assunto. Um dos grandes problemas do mundo moderno é o imediatismo. Nós temos tudo muito fácil, e ao alcance da mão. E para muitas coisas, isso é muito bom! Podemos ler as notícias em poucos instantes e saber tudo o que acontece em qualquer lugar do mundo. Eu adoro baixar os meus seriados favoritos no dia seguinte aos que são exibidos nos Estados Unidos ao invés de ter que esperar para vê-los na TV aqui no Brasil. Você precisa de uma receita de comida, e consegue achar várias versões dela na internet a um toque do dedo. E muito mais.

Por outro lado, esse imediatismo nos levou a querer tudo fácil demais, e há coisas que levam tempo. O aprendizado, por exemplo. Não dá para ser aprender alguma coisa imediatamente. Tudo demora! E esse é o processo normal.

Quando eu era criança e adolescente e estava no colégio, eu fazia dezenas de exercícios de matemática até aprender bem. Eu ficava horas decorando os passados dos verbos em inglês, até aprendê-los.

Um ator ensaia uma peça durante meses até aprender o texto, colocar as emoções corretamente em cada fala e lembrar as suas posições no palco. E por aí vai.

Aprender inglês leva tempo, como aprender qualquer coisa. E você precisa se dar esse tempo. Não é de uma hora para outra que você vai aprender inglês. Vai demorar um pouco. O quanto isso vai demorar, depende de vários fatores, inclusive a sua dedicação.

Entender o que você ouve numa língua estrangeira não é fácil. No início, você não entende absolutamente nada. Mas aos poucos você começa a entender mais e mais. É claro que você não se lembra, mas quando você nasceu também não entendia nada do que as pessoas falavam para você. Mas com o temp0, foi aprendendo a entender. E hoje você entende a sua própria língua.

Essa história de imediatismo funciona assim. Você mal começa a estudar inglês e já quer entender um filme em inglês. E fica frustrado se não consegue. Lembre-se: este é um processo longo. Não se frustre – você é normal!

Quando você usa um livro didático, as atividades de listening são programadas cuidadosamente para serem um pouquinho acima do seu nível, para sempre estimulá-lo a crescer. Mas se você vê um filme ou ouve um coisa qualquer, aquilo não foi pensado em um estudante de línguas. Por isso é normal ser muito difícil. Mas com tempo isso vai se tornar mais fácil. Isso, é claro, se você sempre ouvir coisas em inglês.

Como o Jonas diz na sua pergunta, muita gente acha que ler a transcrição do texto ajuda a entender. Isso é um equívoco, pois a pessoa que faz isso entende melhor por ter lido, não por ter ouvido. E ler é uma outra habilidade que você precisa desenvolver, mas aí é um outro assunto. Ler não melhora a sua abilidade de ouvir em inglês. Para isso você precisa ouvir!

Se você controlar a sua ansiedade e a sua necessidade de querer entender tudo, vai ver que esse processo funciona. Uma ideia que eu dou aos meus alunos é assistir o mesmo filme ou seriado várias vezes. Na primeira vez, coloque na sua cabeça que não vai entender nada mesmo. E irá se supreender. Quanto mais vezes você assistir, mais vai entender. Mas mesmo que não entender tudo, não se desespere. Você chega lá.

No caso do Jonas, 7 meses não é muito tempo para aprender uma língua. Ainda há muito chão pela frente. É preciso de calma. É preciso dar tempo ao tempo. Aos poucos você vai entender mais e mais.

Usar a transcrição é uma muleta. Você pensa que está entendendo, mas não está. O dia que você achar que já está entendendo melhor e não olhar mais a transcrição, vai ter dificuldade novamente. Então o negócio é enfrentar a dificuldade agora!

Como eu já disse antes, tente ver as coisas pelo lado positivo. Não pense no que não consegue entender. Pense no que já consegue e vai ver que isso vai sempre aumentar!

Devagar e sempre!

Até a próxima,

Carlos

 

Dica 600 – Uso do “Simple Present” no seriado “The McCarthys”

novembro 1, 2014

O seriado “The McCarthys” estreou essa semana na TV americana. Pelo primeiro episódio, parece que será bem engraçado. Eu gosto da temporada de estreias dos novos seriados, pois podemos experimentar diversos programas e ver se gostamos. Eu costumo ver pelos menos uns três episódios antes de me decidir. Às vezes não dá para ter uma boa ideia assistindo só ao primeiro – se bem que muitas vezes eu nem chego ao fim do primeiro.  Alguns eu continuo assistindo e os que eu não gosto, deixo pra lá.

É divertido também assistir aos seriados antes que muitos deles estreiem no Brasil. Aliás, muitos deles nem chegarão a ser exibidos por aqui.

No primeiro episódio de “The McCarthys” a primeira cena já me chamou a atenção pelo uso do simple present. É bem fácil de entender, mesmo para quem é iniciante no inglês. Além disso, tem uma discussão interessante sobre o uso do artigo definido the.

Assista:

Se você se interessou procure assistir ao episódio inteiro. Assistir a seriados em inglês sem legenda ajuda você a melhorar a sua comprensão. Mesmo que entenda pouco no começo, resista à tentação de ler as legendas. Elas acabam se tornando uma muleta e você acha que está entendendo mais, mas isso ocorre porque você leu, não porque você entendeu o que foi dito. Se continuar tentando, vai entender cada vez melhor.

Até a próxima,

Carlos

Dica 594 – Pratique o Second Conditional com “The Big Bang Theory”

junho 19, 2014

Eu adoro assistir a seriados de TV. Além de me divertir, é sempre uma oportunidade de ouvir mais inglês e de aprender coisas novas. Como nunca consigo me desligar do fato de ser professor, sempre acabo achando uma cena para usar no ensino de inglês. E foi assim que achei essa cena do seriado “The Big Bang Theory” onde aparece o second conditional.

Montei esse vídeo com a cena e uma pequena prática da estrutura. Dá para você se divertir e treinar o seu inglês um pouquinho:

Assista a seriados em inglês sem legenda. Quanto mais você assistir, mais o seu inglês vai melhorar. Entender é uma questão de treino. Quando mais você treinar, melhor você vai entender.

Nessa cena eu coloquei a legenda, pois o meu objetivo era praticar a estrutura gramatical. No entanto, para você entender o episódio, você não precisa da legenda. Tem gente que me diz que quando coloca a legenda em inglês consegue entender mais. Isso acontece, porque você está lendo. Você está praticando a leitura e não a audição. Para você melhorar a sua compreensão auditiva, o melhor é ouvir apenas. Assim você vai aprender a ouvir cada vez melhor.

Continue praticando e até mais,

Carlos

 

 

 

 

Dica 591 – Todo fim de semestre é a mesma coisa!

junho 5, 2014

Eu já vi esse filme tantas vezes e infelizmente a história não para de se repetir. Vai chegando o fim do semestre e tudo acontece novamente. Grande parte dos alunos ainda acha que aprender inglês é tirar uma nota no final de um curso. Será que é isso? Aprender inglês é ter um diploma pendurado na parede ou anexado ao currículo? Não, não é!

Para você aprender – e não apenas inglês – você precisa estudar, praticar e aplicar o que você está aprendendo. É um processo de tentativa e erro, como eu já disse tantas vezes. Você aprende um pouquinho a cada dia, e vai cada vez mais acumulando conhecimento. Através das experiências que você vive, você vai aprendendo a usar o seu inglês em várias situações da sua vida.

Apesar de tudo isso ser meio óbvio, muita gente ainda traz aqueles vícios da escola. Muitos alunos não estudam o suficiente durante o semestre. Não fazem exercícios e não praticam o que estão aprendendo. Quando vai chegando o final do curso, fazem tudo rapidinho e ao mesmo tempo, para garantir uma nota e passar no curso. Será que isso adianta para alguma coisa? Bom, muitos deles conseguem tirar a nota para passar no curso, mas e o aprendizado? Eles aprendem inglês direito? Claro que não!

Vamos ver o que deveria acontecer num curso de inglês. Numa determinada aula, os alunos são expostos a um determinado assunto. Eu nem digo que eles “aprendem” aquele assunto, pois uma aula não é suficiente para isso. Eles são apresentados aquele assunto e tem a chance de praticá-lo na sala de aula. Depois disso, vão para casa e fazem mais exercícios, para poder praticar mais. Quando voltarem para a próxima aula, já estarão um pouco mais familiarizados com ele. Já terão dúvidas sobre ele, já terão uma pequena ideia sobre aquele assunto. Na aula irão praticar mais um pouco e terão mais chance de entender, saber usar, etc. Em casa, terão mais oportunidades de praticar, poderão fazer exercícios extras, formar frases, escrever, ler mais sobre aquilo. Aos poucos, aquilo vai se tornando mais fácil, até o aluno realmente aprender.  É um processo que levará ao aprendizado. Fazer tudo rapidinho só para ter a nota não ajuda em nada o processo.

Uma das coisas mais difíceis em inglês é aprender a escrever. É muito difícil ensinar alguém a escrever. Por isso, os professores de inglês trabalham com um processo. O aluno escreve uma vez e o professor comenta. O aluno tenta reescrever e o professor comenta novamente. O aluno tenta reescrever e o professor anota os seus erros. O aluno tenta reescrever até chegar em um resultado bom. E aos poucos ele vai aprendendo a escrever em inglês. Dentro desse processo a aluno vai aprendendo gramática, concordância, pontuação, etc, e vai aprendendo a organizar suas ideias. É um processo que leva tempo. E se o aluno não passar por ele, não vai aprender a escrever melhor. Ele precisa vivenciar esse processo. No entanto, há muitos alunos que não fazem o processo. Simplesmente na última semana do curso entregam todas as composições pra “garantir a nota”. Fazer isso pode até garantir uma nota, mas não fará com que a pessoa escreva melhor.

Nessa época de fim de semestre os alunos chegam para mim e dizem: “Não se preocupe, pois até o final do curso eu vou fazer tudo.” Não, realmente não sou eu quem deveria me preocupar. Quem está querendo aprender?

Para você aprender, você precisa ter ter atitude. Que atitude você toma em relação ao seu aprendizado? Pense nisso e faça algo por você mesmo!

Até mais,

Carlos

 

 

Dica 590 – A Hora da Mentira e a Hora da Verdade

junho 4, 2014

Quase tudo o que acontece numa aula de inglês é de mentira.  É como um ensaio para uma peça de teatro. Você ensaia muito para o dia da estreia, quando vai fazer a peça de verdade. Mas se você não se dedicar nos ensaios e fizer como se fosse de verdade, na hora da verdade não vai sair bom.

A maioria das situações numa aula de inglês é de mentira. O professor manda você levantar e perguntar para três pessoas qual o dia do aniversário delas, mas você não tem o menor interesse em saber que dia é o aniversário daquelas pessoas. Tanto que, quando a aula acabar, você provavelmente nem vai se lembrar.

O professor manda vocês conversarem sobre globalização, e isso é um assunto que não te interessa nem um pouco. Você preferia conversar sobre qualquer outra coisa, mas tem que falar sobre aquilo, pois é parte da aula.

Você assiste a um vídeo que não te interessa e tem que discutir o que entendeu. Na sua vida real, você nunca iria assistir a um vídeo desses, mas faz parte da aula.

Você manda uma criança de 8 anos sair pela sala imaginando que está na rua perguntando “Onde fica o supermercado?” como se uma criança dessa idade fosse sair na rua sozinha procurando.

Calma aí, não estou dizendo que a aula de inglês não é interessante! É sim! A aula é divertida e tem até muita gente que se interessa pelos assuntos discutidos nela. O que eu estou dizendo é que as coisas são falsas, pois é uma situação falsa. Você está fazendo de conta que está falando sobre aqueles assuntos. No entanto, são essas coisas falsas que vão preparar você para a hora da verdade, quando você vai realmente querer usar o inglês.

N0 dia em que você estiver na sua casa e quiser assistir a um filme em inglês, você vai assistir a um filme que você mesmo escolheu. E vai entender um pouco de inglês graças aqueles momentos que teve na sala de aula assistindo ao que a escola achava que você devia assistir.

Quando você estiver conversando com alguém em inglês, você vai falar sobre o assunto que quiser, mas estará instrumentalizado pela prática que teve na sala de aula. A hora da mentira prepara você para a hora da verdade.

Agora pense bem nos momentos que você tem na sala de aula que poderiam ser de verdade, mas que você não usa. São aqueles momentos em que você perde a oportunidade de falar inglês de verdade. Por exemplo, quando você precisa de uma borracha emprestada e cochicha para o colega do lado em português. Pronto, você acabou de desperdiçar um ótimo momento para usar o seu inglês numa situação de verdade.

E no final da aula, quando todos os alunos já estão saindo, e você vai perguntar alguma coisa ao professor, e como a aula “já acabou” fala em português? Essa seria uma ótima hora da verdade, pois você está realmente perguntando uma coisa que quer saber e o professor vai dar uma resposta que interessa a você. Por que não se comunicar em inglês? Afinal, você está estudando inglês para se comunicar na hora da verdade. E a hora que você faz uma pergunta de verdade e ouve uma resposta de verdade, você prefere falar em português! Que desperdício! Passou a aula falando sobre assuntos que o professor mandou você falar, e quando tinha que falar mesmo, não usou o inglês!

E quando você chega na escola e fica esperando a aula começar e o professor chegar? Por que não aproveita esses momentos para conversar em inglês com os outros colegas? É um bom momento para uma conversa de verdade.

São esses momentos “de verdade” que dão a você a chance de ver se o inglês que você está aprendendo está servindo para alguma coisa! Você consegue se comunicar em inglês, ou na hora de se comunicar precisa  usar o português?

Eu me lembro da minha primeira viagem para os Estados Unidos, em 1990. Eu já era professor de inglês, já falava e ensinava inglês, mas nunca tinha saído do Brasil. Você sabe que em algumas aulas a gente ensina os alunos a pedirem informações sobre como chegar a um determinado lugar. Pois bem, eu e um grupo de amigos que estavam fazendo um curso de verão na Universidade da Flórida alugamos um carro para passear no feriado de 4 de julho. Eu dirigi uma boa parte da viagem. Num determinado momento, nós nos perdemos. Eu resolvi sair do carro e testar se a pergunta que eu ensinava funcionava mesmo. Encontrei um homem parado e lancei um “Can you tell me how to get to ___?” Quando o homem respondeu eu fiquei tão feliz! Vi que aquela expressão que eu já tinha ensinado tantas vezes funcionava de verdade. E fiquei comemorando! “It works! It works!”

Lembre-se de que tudo o que a gente quer na aula de inglês é conseguir usar o nosso inglês. Use-o e ele só vai melhorar!

Até mais,

Carlos

Dica 569 – Um vídeo para praticar os comparativos

setembro 19, 2013

Assistindo ao seriado “Suburgatory”, achei essa cena legal para praticar os comparativos. A atriz Carly Chaikin, que faz a personagem Dalia, fala uma frase bem longa e bem rápida que está cheia de comparativos. Veja:

Embora ela fale bem depressa, se você repetir bastante vai conseguir falar também. A própria atriz deve ter praticado muito antes de gravar, pois não é uma frase que se fala normalmente. Praticando bastante, de quebra você estará praticando os comparativos.

Falar inglês bem é uma questão de prática. Quanto mais você praticar, mais o seu inglês vai melhorar. Tudo depende de você. E com a quantidade de recursos que existem por aí hoje em dia, você tem mais é que aproveitar!

Até a próxima,

Carlos

Dica 559 – Aprendendo inglês com música – Depoimento da Nágila

julho 15, 2013

Recebi esse depoimento da leitora Nágila Carla, sobre aprender inglês com música. Como acho que os exemplos dos outros podem também ser bons para a gente, reproduzo o depoimento a seguir:

“Eu tenho 16 anos. Há uns 5 ou 6 anos eu ouço musicas em inglês. Eu não escuto outro tipo de música – somente em inglês.  Meus álbuns são apenas de músicas internacionais, das quais eu sei completamente as letras. Escuto umas 3 ou 4 vezes a música e já canto um pouco embaraçado mas canto bem. Depois eu procuro a letra original na net e leio ela inteira, não cantando, mas lendo normal. Depois coloco a música e acompanho. Saber a pronúncia das palavras me ajuda a cantar. Isso sempre foi fácil pra mim. Atualmente eu canto mais de 53 músicas em inglês e estou aprendendo mais.  Umas dicas a mais que eu deixo são as seguintes:

1º ouça bem a musica. Volte ela e escute novamente, mas dessa vez acompanhe cantando do seu jeito mesmo.

2º leia a letra da musica todinha antes de cantar. Saber o que esta falando e pronunciar corretamente ajuda a cantar, acredite.

3º cante por partes como foi dito aqui. Não queira já ir cantando tudo de uma vez. Respeite seu ritmo.

4º e esta é a principal dica, tenha prazer e paciência de cantar pois não e fácil. Fazer com paixão ajuda muito. Com estas músicas hoje eu converso em inglês muito facilmente e consigo pronunciar muito bem. Acreditem em vocês mesmos e vão em frente. Não desistam.

Concordo com o que Carlos disse: não é necessário saber o que esta cantando, pelo menos não de início. Quando tiver dominado a letra, você pode procurar saber o que está dizendo. Canto em inglês com muita facilidade há mais de 5 anos e digo que aprendi mais inglês cantando do que na escola. Acredite…

Espero ter ajudado. Beijos a todos.

Good Bye”

Como eu sempre digo, não existe uma maneira única de se aprender inglês. Existem muitas maneiras diferentes e acho sempre importante a gente experimentar coisas novas. Pode dar certo ou não, mas é fundamental tentar. E se você tiver alguma dica que funcionou para você, mande para mim que eu publico.

Obrigado, Nágila, pela sua contribuição!

Até mais,

Carlos

Dica 553 – The Audio Archive

junho 9, 2013

Recebi da minha amiga Áurea Shinto a indicação desse site muito interessante. The Audio Archive contém um arquivo de textos que são lidos em voz alta por falantes de inglês com vários sotaques diferentes.

Aqui está o link:

http://alt-usage-english.org/audio_archive.shtml

No site você encontra várias amostras de textos, com os arquivos de áudio. O mesmo texto é lido por vários falantes de inglês, de lugares variados como os Estados Unidos, Inglaterra, Canadá, Austrália e muitos outros. Mesmo dentro de um mesmo país, há pessoas de regiões diferentes e, portanto, com sotaques diferentes.

Aqui estão alguns exemplos com o texto “Arthur, the Rat”:

“Arthur, the Rat”, com sotaque australiano: http://alt-usage-english.org/archive/arth_mb.mp3

“Arthur, the Rat”, com sotaque canadense: http://alt-usage-english.org/archive/art_min8.mp3

“Arthur, the Rat”, com sotaque britânico: http://alt-usage-english.org/archive/arth_rp.mp3

“Arthur, the Rat”, com sotaque indiano: http://alt-usage-english.org/archive/art_in8.mp3

“Arthur, the Rat”, com sotaque irlandês: http://alt-usage-english.org/archive/arth_ire8.mp3

“Arthur, the Rat”, com sotaque americano do meio-oeste: http://alt-usage-english.org/archive/art_mi4.mp3

“Arthur, the Rat”, com sotaque americano de Nova Iorque: http://alt-usage-english.org/archive/01un01d.mp3

Quando você fala inglês, você pode escolher o sotaque que você quer falar. Não dá para você falar com todos os sotaques que existem. Você pode até tentar, mas isso não é necessário. O importante é você falar de uma maneira que faça você ser entendido.

Por outro lado, é importante você conseguir entender os diferentes sotaques. Existem os diferentes sotaques nativos e também os sotaques de estrangeiros falando inglês. Um brasileiro falando inglês e um francês falando inglês têm sotaques bem diferentes. Na sua vida, você vai falar em inglês com pessoas de vários lugares diferentes. Por isso é sempre importante você ouvir sotaques distintos. Quanto mais você ouvir, mais vai entender.

Lembre-se de que tudo é uma questão de prática. Quanto mais você praticar, melhor para você!

Até mais,

Carlos

Dica 550 – Como perder o medo de falar inglês

maio 27, 2013

Compartilho com você a entrevista que dei para o site ig.com.br sobre como perder o medo de falar inglês. A matéria foi feita por Bianca Castanho e ficou muito boa:

http://delas.ig.com.br/comportamento/2013-05-26/como-perder-o-medo-de-falar-ingles.html

Muitas das coisas que falei na entrevista eu já escrevi aqui e também no livro “101 Dicas Para Você Aprender Inglês Com Sucesso”, mas é sempre bom dar uma relembrada.

Em relação ao medo de errar, vale a pena lembrar que falhar faz parte de aprender. Veja o vídeo abaixo, que mostra pessoas que falharam ou que foram consideradas incapazes. Veja o que aconteceu depois:

É uma boa inspiração para você também. Não tenha medo de errar ou de fracassar. Fracassar faz parte do processo de aprender!

Até a próxima,

Carlos