Posts Tagged ‘sucesso’

Dica 627 – O Segredo do Sucesso é o Fracasso

setembro 13, 2016

Um artigo na revista “Você S/A” que eu acabei de receber, intitulado A Importância do Fracasso, começa dizendo que “Para alcançar o sucesso é preciso, primeiro, aprender com o fracasso.” É uma afirmação importante, que muita gente não se dá conta. As pessoas morrem de medo de errar. Parece que errar é uma coisa horrível. Que é o fim do mundo. Mas não é. Fracassar é fundamental no aprendizado.

Fracassar, como diz o artigo da Você S/A, é crucial para o desenvolvimento. E o avanço só acontece se nós encararmos os erros como processos de aprendizagem.

Isso é verdade para qualquer coisa, mas vamos pensar aqui no aprendizado de línguas.

Pense em você mesmo quando aprendeu a sua língua nativa. Você não começou falando tudo certo. Você falava errado, as pessoas te corrigiam uma duas, três… muitas vezes, até você aprender a falar corretamente. Mas para você foi importante tentar, experimentar com a língua. Se você não se lembra de como foi o seu aprendizado, pois afinal era muito pequeno, observe uma criança pequena aprendendo a falar.

Para aprender inglês, você precisa passar pelo mesmo processo. Tentar, errar, se corrigir, errar novamente e assim por diante, até acertar.

Hoje eu estava dando aula para uma aluna particular e fiz um vídeo no celular onde ela falava algumas coisas. Acabando de filmar, assistimos ao video juntos, e eu apontei os seus erros. Aí gravamos mais uma vez e assistimos novamente. Ela mesma me disse: “Aqui eu errei novamente. Aqui eu acertei.” Perceber os erros, já é um caminho em direção ao acerto. Com certeza ela ainda vai errar outras vezes, mas ter consciência dos erros, já é um grande passo.

Quando você tenta conversar em inglês, vai acontecer de a pessoa com quem você está falando não entender você. Pode ser o seu colega na aula de inglês, ou pode ser uma pessoa com quem você está conversando na rua. Errar e perceber que a pessoa não entendeu, vai fazer você tentar falar de uma outra maneira, para se fazer entender. Você vai criando estratégias que vão ajudar a se comunicar melhor. Isso também é um aprendizado.

Num exercício escrito, quando você erra, você tem uma grande oportunidade de aprender mais. Vendo o que errou e pensando em como poderia corrigir aquilo, você acaba aprendendo bastante.

O importante sempre é a sua atitude em relação ao erro. Ter um fracasso, não significa que você é um fracasso. Você fracassou, no seu caminho para aprender. Se ficar só se lamentando e se auto-flagelando, não vai aprender nada. O fracasso mostra que você fez uma escolha errada. Pense agora na próxima escolha. Se ela for errada também, fracasse e tente novamente. Em algum momento você vai acertar.

Pense num cientista que realizou uma experiência e descobriu algo incrível. Ele teve um sucesso no final, mas antes disso ele teve centenas de fracassos. Se pensar bem, o número de fracassos dele foi muito maior do que o número de sucessos. Mas foram esses fracassos que o levaram ao sucesso! Entre uma tentativa e outra, o cientista pesquisou mais, estudou, se aprimorou e tentou de novo.

Você errou? Tente mais uma vez. Estude mais, pesquise mais, faça mais exercícios e tente de novo. Não se lamente por ter errado. Você terá novas chances de aprender.

Aceite os seus erros, pense sobre eles e não sofra. Todo mundo erra!  Lembre-se disso!

Siga em frente e vai aprender cada vez mais e melhor!

Até a próxima,

Carlos

 

Anúncios

Dica 622 – “One” do U2 – Boa música para praticar perguntas em inglês

setembro 17, 2015

Hoje eu estava correndo na esteira da academia e ouvindo música como sempre faço. Além de curtir as músicas fico pensando em como usá-las para ensinar inglês. É, eu sou assim mesmo. Não desligo nunca.

Lá pelas tantas, ouvi a música “One” do U2 e me dei conta de que ela é ótima para praticar perguntas em inglês. A letra tem muitas perguntas, em vários tempos verbais, e cantá-la ajuda a aprender, praticar e lembrar de como formar perguntas em inglês.

Quando cantamos, repetimos as mesmas frases muitas e muitas vezes, e as frases acabam ficando gravadas na nossa cabeça. Mais tarde, quando vamos falar em inglês, muitas dessas frases saem da nossa boca e nem sabemos porque.

Aqui estão as perguntas que aparecem na música:

Present Continuous:

Is it getting better?

Simple Present:

Do you feel the same?

Future:

Will it make it easier on you now you got someone to blame?

Simple Past:

Did I disappoint you or leave a bad taste in your mouth?

Did I ask too much?

Present Perfect:

Have you come here for forgiveness?

Have you come to raise the dead?

Have you come here to play Jesus to the lepers in your head?

Experimente cantar a música. Além de aprender inglês você vai se divertir. Aqui está o link para o vídeo com a letra. Se não conseguir visualizar – algumas pessoas me escrevem que não conseguem ver os videos – é só entrar no youtube e escrever “One u2 lyrics” e você acha o vídeo – aliás, vários deles. Cuidado, pois a letra nem sempre está 100% correta.

 

Depois de praticar bastante, experimente a versão em karaoke, para você cantar sozinho. Se o vídeo não abrir, procure no youtube “u2 one karaoke”.

Depois de se divertir cantando a música original, você pode brincar com a letra. Que tal inventar outras perguntas usando os mesmos tempos verbais? Ao invés de “Is it getting better?” você pode cantar “Is it getting hotter?”, “Is it getting worse?”, “Is it getting bigger?” ou qualquer coisa que quiser.

Ao invés de “Did I ask too much?” que tal cantar “Did I eat too much?”, “Did I sleep too much?”, “Did I sing too much?”, etc.

Use a sua imaginação, divirta-se, solte a voz, e o melhor de tudo, aprenda inglês também.

Até a próxima,

Carlos

Dica 619 – As mãos estimulam o cérebro

julho 29, 2015

Por recomendação da minha querida amiga Áurea Shinto, comecei a ler o livro “A Whack on the Side of the Head”, de Roger von Oech. É um livro muito bacana, sobre como a gente pode ser mais criativo. Tem muitas ideias interessantes que podemos aplicar às nossas vidas, ao nosso trabalho, e até ao nosso aprendizado em geral. Vale a pena ler.

 

A whack

Num dos capítulos, o autor diz que uma das maneiras que ele tem de relaxar é pegar um objeto do tamanho de uma maçã e ficar brincando com ele na mão. Ele diz que fazer isso estimula uma parte diferente do cérebro e faz a criatividade fluir. Diz ele que segundo alguns estudos, ativar as funções básicas pode melhorar a performance mental.

Ele conta de um teste que foi feito com dois grupos de pessoas para avaliar a performance mental.  Antes do teste, um grupo ficou 20 minutos numa sala, esperando sentados. O outro grupo ficou em outra sala durante os mesmos 20 minutos descascando maçãs. Depois os dois grupos fizeram o teste e o grupo que tinha ficado descascando as maçãs se sai muito melhor. Isso prova que fazer as mãos e os olhos trabalharem juntos põe os neurônios para funcionar melhor.

Quem sabe isso não seja legal também para você aplicar ao estudo do inglês? Você poderia esperimentar, enquanto estuda, ficar brincando com um objeto em uma das mãos. Isso pode estimular o se cérebro e você conseguir aprender mais. Outra possibilidade é antes de você começar a estudar, passar uns minutos fazendo alguma atividade manual, como cortar papel com uma tesoura, fazer dobraduras, ou até cozinhar, como eu faço muitas vezes. Ou mesmo fazer umas pausas durante o estudo para fazer isso.

Atenção! Eu não estou falando de estudar segurando o celular na mão e verificando as mensagens, ou falando pelo WhatsApp! Isso só distrai você do seu estudo. Mas usar os estímulos da mão pode ser interessante para o seu cérebro.

Vamos tentar? Isso também é uma novidade para mim. Quem sabe pode ser bom? Depois me escreva contando o que achou. Descobrir novas maneiras de aprender é uma questão de experimentar coisas novas. Muitas vezes as ideias mais estranhas acabam sendo as mais interessantes. Leia o livro “A Whack on the Side of the Head” e descubra muito mais!

Até a próxima,

Carlos

Dica 614 – Use o Waze em inglês

abril 5, 2015

Para quem ainda não conhece o Waze, fique sabendo que ele é um aplicativo gratuito de trânsito e GPS que utiliza dados e alertas de tráfego em tempo real. Ele pode melhorar muito o seu trajeto de todos os dias.  Eu demorei um pouco até começar a usá-lo, pois estava acostumado ao meu GPS, e não queria abandoná-lo. Mas com o Waze realmente você ganha muito tempo. Para quem mora em São Paulo, como eu, ganhar tempo no trânsito é muita melhora na qualidade de vida.

Mas o que está me divertindo mais do que tudo é ouvir o Waze falar inglês. Você pode escolher a lingua que ele fala e escolher a opção de ele dizer o nome das ruas. Experimente! É uma boa maneira de você treinar o seu inglês enquanto está no carro. Se pensar no tempo em que fica no trânsito todos os dias, vai ver que dá para aproveitar bem.

Mesmo que você já saiba o caminho por onde vai, vale a pena ligar o Waze em inglês. Você vai ouvir as expressões que dão as direções, as distâncias, os problemas que encontra pelo caminho, e aos poucos vai lembrar de todas elas. Você pode até ir repetindo tudo o que ele diz, e ir treinando a parte oral.

Se escolher a opção de ele falar os nomes das ruas em inglês, vai dar muitas gargalhadas. Mas além disso, é um bom exercício de pronúncia. Ele fala os nomes das ruas em português como se fossem inglês. Isso vai ajudando você a descobrir um pouco mais sobre a pronúncia do inglês. Quando você for ler alguma coisa em inglês, isso vai te ajudar também. Você vai internalizando alguns sons do inglês e vai brincando com as palavras.

Em inglês a pronúncia não segue padrões rígidos. Há muita variação na pronúncia e mesmo os nativos muitas vezes não sabem pronunciar palavras novas que eles não conhecem. Mas essa brincadeira ajuda você a trabalhar os sons da língua inglesa. Por exemplo, se você prestar atenção à forma que ele pronúncia o nome “Av. Paulista”, quando enxergar palavras como “because”, “cautious”, “daughter” vai saber como pronunciar.

Quando o Waze for falando os nomes das ruas, repita os nomes algumas vezes. Faça isso como uma brincadeira, e até o tempo gasto no trânsito vai parecer menor. Isso não tem nada a ver com aprender vocabulário, já que as palavras em português não significam nada em inglês. É apenas uma brincadeira com os sons.

Como eu já disse antes, algumas ideias que podem parecer estranhas, podem nos ajudar muito a aprender e melhorar o nosso inglês. Nunca diga que não funciona sem tentar antes.

Depois escreva para mim, me contando como foi a experiência.

Até a próxima,

Carlos

Dica 613 – Jogue “Heads Up”

março 27, 2015

Eu descobri essa dica há poucos dias e estou me divertindo muito com ela. É um aplicativo que você pode baixar gratuitamente no seu celular ou tablet, chamado “Heads Up”.

O aplicativo foi desenvolvido pela apresentadora americana Ellen Degeneris. É um jogo muito bacana, que além de garantir muita diversão ajuda muito a praticar o inglês. Você joga com um parceiro, que pode ser um amigo ou até um colega de aula de inglês. Um dos participantes coloca o celular ou tablet na testa, de modo que só o parceiro possa ver o que aparece. Na tela aparecem palavras e o parceiro precisa descrevê-las para o outro jogador adivinhar. Enquanto o tempo passa, você pode adivinhar várias palavras. Quanto mais palavras você acertar, mais pontos você ganha. Existem várias categorias para você escolher, que incluem pessoas famosas, animais, coisas de criança, e muito mais. Quando você acerta, inclina o celular ou tablet para baixo e outra palavra aparece. Quando você não sabe e quer passar, inclina o celular ou tablet para cima e a palavra muda.

Veja alguns vídeos onde Ellen Degeneris brinca com convidados do seu programa.

 

 

 

 

 

Não acha divertido? Bom, eu tenho jogado em casa e também com meus alunos e estou adorando. É um jogo legal, onde você pode aprender e revisar bastante vocabulário, alem de praticar como descrever as palavras, que é uma habilidade muito importante ao se falar uma língua.

Então, aproveite! Baixe o aplicativo, divirta-se e pratique bastante o seu inglês!

Até a próxima,

Carlos

Dica 606 – Meu desejo para o ano novo: que você fracasse!

dezembro 30, 2014

Se você quer chegar ao topo, o primeiro passo é aprender a falhar.”

Li essa frase numa matéria da revista Você S/A intitulada Fracasse Melhor. A matéria cita a jornalista americana Megan McArdle, colunista do site Bloomberg. Megan explica como errar pode levar ao sucesso.

Como eu já falei várias vezes aqui e nos meus livros, muita gente tem medo do fracasso, pois se sente um derrotado por ter errado. Eu vejo alunos que ao cometerem um erro no inglês ficam vermelhos, abaixam a cabeça de vergonha e querer sumir. No entanto, para alcançar o sucesso é necessário correr riscos e experimentar ideias. Isso vai fazer você errar, mas é muito positivo, pois depois de muitos erros, o acerto vai chegar.

Segundo Megan McArdle, que escreveu o livro The Up Side of Down, “o mais importante é reconhecer que erramos. Em vez de admitir que algo deu errado, as pessoas negam o fracasso a qualquer custo. Essa atitude faz com que a gente se sinta melhor, mas por pouco tempo. No longo prazo, isso transforma um erro que seria simples (se corrigido a tempo) em uma catástrofe.”

As pessoas consideradas audaciosas correm muito mais riscos e por isso erram mais. Porém acabam sendo muito melhores sucedidas. Se você errar não significa que você é um fracassado. Significa que voce errou, vai aprender com os seus erros e vai seguir em frente – como a maioria dos grandes nomes da história. E isso é muito positivo. Por isso, precisamos valorizar as pessoas que erram. Erre sem medo!

Na matéria da Você S/A Megan ainda diz que “você tem que se convencer que o fracasso é sempre uma possibilidade.” Esteja pronto para ele, assuma sua falha e dê a volta por cima. Como ela afirma, “os únicos que fracassam miseravelmente são os que ficam presos aos erros do passado e não enxergam as possibilidades futuras.”

Ninguém nasce falando língua nenhuma. Até para aprender a sua própria língua você falou muita coisa errada até aprender a falar direito. Hoje mesmo, aminha amiga Viviane Kirmeliene publicou no facebook que a sua filha Catarina disse que depois do número dezenove vinha o dezedez. Todo mundo que leu este post achou uma gracinha. Ninguém criticou a menina por ter errado. Ela simplesmente está experimentando com a língua e tentando descobrir como ela funciona. E o mesmo acontece quando você está aprendendo inglês.

Se você não está falhando muito, é porque não está arricando muito e como consequência, também não está aprendendo muito. Como diz a matéria da da Você S/A, o caminho que leva ao sucesso é o mesmo que leva ao fracasso. Não tenha medo dele.

É por isso que, neste final de ano, eu desejo que você erre bastante durante a sua vida. Não tenha medo de errar. Fale inglês mesmo que não tenha certeza. Experimente e brinque com a língua. Se você estuda em algum curso e for corrigido pelo seu professor, tente novamente, mesmo que erre muitas vezes, pois uma hora você chega lá.

Se estiver falando com alguém e esse alguém corrigir você, faça a mesma coisa. Não se deixe intimidar pelo erro. Tente descobrir o que errou, porque errou, e tente outra vez. Mesmo que leve um tempo, você vai aprender.

Continue sempre em frente no seu aprendizado de inglês. De fracasso em fracasso você chega ao sucesso. Não fuja do fracasso, pois ele é o seu degrau para a conseguir acertar.

Feliz Ano Novo e até a próxima,

Carlos

 

Dica 587 – A responsabilidade por aprender é sua

março 30, 2014

De quem é a responsabilidade por aprender? A gente costuma dizer que quando aprendemos é porque somos inteligentes, mas quando não aprendemos é porque o professor é ruim. Parece que a responsabilidade por aprender é só do professor. E você? Quanta responsabilidade tem nesse processo?

Essa semana eu li um artigo excelente publicado na newsletter do BRAZ-TESOL, com o título “Autonomy: Sharing Responsabilities in the Classroom”. O artigo foi escrito pela minha amiga Elaine Chaves Hodgson e discute qual a responsabilidade do aluno no seu processo de aprendizado. Se você tiver acesso a essa newsletter, leia. Se você é professor de inglês e ainda não é membro do BRAZ-TESOL, basta se associar e vai receber a newsletter em casa.

É claro que o professor tem um papel importante em ajudar os alunos a aprenderem. Mas o professor não ensina. O professor mostra o caminho e ajuda o aluno a trilhá-lo. Eu li uma vez e já disse aqui que o professor abre a porta , mas o aluno é quem tem que entrar. Se ele não tomar as rédeas do seu aprendizado, não vai aprender mesmo.

O objetivo de qualquer aprendizado é em aprender a ser autônomo, como Elaine diz muito bem no seu artigo. Ser autônomo significa saber se virar por conta própria, e fazer as coisas sem ajuda. Afinal, é isso que você vai fazer durante a sua vida. Eu, por exemplo, não preciso mais fazer cursos de inglês. Eu estou sempre aprendendo coisas novas por conta própria. Leio, procuro coisas em livros, dicionários, na internet, etc. Faço cursos, sim, mas de outras coisas – metodologia, literatura, e outros assuntos que me interessam. Mas também aprendo muito sozinho – todos os dias. Ouço uma palavra nova em um filme ou seriado e vou procurar o que significa. Vou procurar outros exemplos de como se usa a palavra até que consiga entender como se usa e em que contexto se usa. E começo a tentar usá-la.

Muitos alunos não fazem a lição de casa, não participam da aula, não estudam e depois reclamam que não estão aprendendo. De quem é a culpa?

Se você aprende uma palavra nova na aula e não entende o que significa, o que faz depois? Fica chorando dizendo que inglês é difícil, que o o seu professor não explicou direito, que o texto era difícil demais? Ou vai atrás até descobrir o que aquela palavra significa? O professor pode dar um, dois, três exemplos, mas você pode achar mais vinte por conta própria. Há vários dicionários impressos e online que dão a definição da palavra e vários exemplos. Você só não aprende se não quiser.

Como a Elaine fala no seu artigo, nos seus estudos você pode e deve sempre tentar ir além. Aprendeu 12 nomes de comida em inglês na escola? Tente aprender 5 a mais por conta própria. Aprendeu um adjetivo? Procure o verbo, advérbio, substantivo, prefixos e sufixos associados a ele. Vá sempre além do que está aprendendo!

Há uns tempos encontrei um colega meu de curso de inglês. Ele tinha estudado na mesma turma que eu há mais de vinte anos. Agora eu estava dando aula na escola, e ele ainda era aluno – estava voltando a estudar inglês. Qual a diferença entre nós dois? Não é que eu seja melhor do que ninguém, eu simplesmente me esforcei mais e fui em frente.

Olhe à sua volta e veja as pessoas que você conhece que falam inglês bem. O que elas fazem de diferente? Quem sabe os seus exemplos podem inspirar você também. No meu livro “101 Dicas Para Você Aprender Inglês com Sucesso” eu conto várias dessas histórias. Se essas pessoas conseguiram, você também vai conseguir.

Lembre-se. Você consegue aprender, mas a responsabilidade é sua! Vá em frente!

Até mais,

 

Dica 583 – Matéria da revista Viva Mais!

janeiro 21, 2014

Como eu já falei eu outro post, no começo do ano todo mundo resolve mudar a vida e uma das coisas é a decisão de aprender inglês. Por esse motivo, fui entrevistado pela revista Viva Mais!, dando algumas dicas de como aprender inglês.

Na matéria eu falei sobre o meu livro “101 Dicas Para Você Aprender Inglês Com Sucesso” e dei algumas dicas rápidas para isso. A jornalista que me entrevistou queria as 10 dicas mais importantes do livro, mas eu acho que isso não existe – todas as dicas são importantes e algumas funcionam para algumas pessoas e outras não. Por isso é sempre importante experimentar de tudo e aí escolher o que funciona melhor para você. Talvez cada pessoa que aprendeu inglês possa ter as 10 dicas mais importantes para ela.

Aí está a matéria, publicada na edição 747, que tem data na capa de 24 de janeiro de 2014:

2014-01-24 - Viva Mais - 1

Até a próxima,

Carlos

Dica 580 – Seja o seu próprio Papai Noel

dezembro 24, 2013

Hoje, véspera de Natal, muita gente está esperando que o Papai Noel traga o presente que pediu. E assim como o presente de Natal, muita gente fica sempre esperando que as coisas aconteçam na sua vida. Mas, na realidade,  muito pouca coisa na vida cai assim do céu. Se quisermos alguma coisa, temos que ir atrás dela.

Aprender inglês também é assim. Há pessoas que me dizem que um dia vão aprender inglês. Ficam esperando o dia de começar, ficam esperando o dia que vão ter tempo, ou o dia em que a oportunidade vai aparecer. Há outros que vão pulando de escola em escola esperando encontrar aquela que vai fazê-los aprender inglês – como se fosse por mágica, ou presente de Papai Noel.

Se você quer aprender, não espere que o Papai Noel traga tudo enrolado num pacote lindo. Seja o seu próprio Papai Noel. Faça o seu próprio presente! Vá atrás do que quer e se esforce por isso. Aprender é um processo longo, cansativo, algumas vezes chato, muitas vezes divertido, e que proporciona muitas alegrias e muito prazer. Há dificuldades no caminho – mas há dificuldade em tudo – e elas são todas superáveis, com esforço e dedicação. Depende de você, e você é capaz. Como diz o título do meu mais recente livro, “Você Consegue Aprender o Que Quiser”.

Quer aprender inglês? Mãos à obra! Não precisa esperar o dia ideal para começar. Não precisa esperar o dia em que vai ter tempo. Não precisa esperar para se matricular naquela escola que você quer. Comece já! Neste blog e no meu livro “101 Dicas Para Você Aprender Inglês com Sucesso” há muitas ideias e sugestões do que você pode fazer. Comece agora! Um passo de cada vez, e sempre em frente. Você chega lá.

Você não vai encontrar o seu inglês dentro de uma embalagem linda embaixo da árvore de Natal. O que você pode fazer já – hoje – pelo seu inglês?

Feliz Natal!

Até a próxima,

Carlos

Dica 578 – Para aprender, você precisa se superar – o exemplo de Malaki Paul

novembro 24, 2013

Eu já disse muitas vezes, e ainda vou dizer muitas outras, que aprender é dar um salto no escuro. Estamos entrando num território desconhecido e é normal termos um pouco de medo. É normal errarmos. Aliás, é mais normal errarmos do que acertarmos.

Aprender é dar um pequeno passo para a frente a cada momento, e tentar sempre se superar, ou seja, melhorar um pouquinho que seja. Se a cada dia ficarmos um pouquinho melhor, estaremos sempre aprendendo um pouquinho mais.

Fracassos fazem parte deste processo, mas devemos considerar esses fracassos como experiências que nos levarão a acertar no futuro. Não podemos deixar o fracasso nos desanimar.

O vídeo abaixo foi postado por um amigo no facebook. Talvez você já o tenha visto, mas vale a pena ver de novo e refletir sobre o assunto. No programa Britain Got Talent, o menino Malaki Paul, de 9 anos, começa uma apresentação muito nervoso. Fica tão nervoso que começa a chorar e interrompe a música. Isso também é normal. É comum começamos algo e não conseguimos continuar. A diferença é que Malakai não desiste. Ele tenta mais uma vez. E vejam o que acontece:

Se o menino tivesse desistido, talvez passasse a vida toda pensando no que teria acontecido caso tivesse desistido. Mas, ao contrário, continuou e venceu. Não é um belo exemplo?

Aprender é assim também. É não desanimar com os erros, é seguir em frente e tentar se superar. Cada superação é um ganho, que vai ajudar você a ser melhor a cada dia. E na próxima vez que você errar ou fracassar, você pode se lembrar das outras coisas que você superou. Isso vai dar mais motivação ainda para superar as próximas.

Por isso, siga sempre em frente no seu aprendizado de inglês. Lembre-se que o seu objetivo não é ser perfeito, mas melhorar um pouco de cada vez. E seguir em frente.

Vejam a apresentação seguinte de Malaki. Olhem como ele já está muito mais seguro e confiante:

Você também pode fazer o mesmo. Que esse exemplo inspire você, não só para aprender inglês, mas tudo o que quiser.

Até a próxima,

Carlos